Carboídratos e sua importância no esporte 

Fonte de imagem: Internet

      A necessidade de carboidrato durante a atividade física, especialmente nos eventos atléticos de endurance, é  muito bem demostrada pela recomendações  das diversas entidades governamentais   de nutrição esportiva,  conforme detalhado  na European Commission Report  of the Scientific Committee on Food (2001), sobre a composição e especificação  do alimento  que pretende satisfazer o gasto do esforço muscular intenso, sobretudo em homens esportistas. A comissão  concluiu que as reservas elevadas de glicogênio muscular  antes do exercício não fazem com que os atletas corram com mais rapidez, no entanto, permitem que os atletas mantenham dado ritmo por um período mais longo, o que resulta  em melhora de tempos  no desempenho  de endurance . Em parte, o melhor desempenho em atletas treinados em endurance em comparação com indivíduos  menos treinados durante os exercícios submáximo no mesmo ritmo ou intensidade absoluta é decorrente da diminuição  da dependência  da degradação do glicogênio  muscular. O aumento da capacidade de aeróbia dos atletas de endurance possibilita que o musculo  esquelético  metabolize mais gordura em intensidade absoluta submáxima determinada , usando, desse modo, menos glicogênio muscular e hepático sejam poupados, retardando a fadiga relacionada com a depleção  das reservas de carboidratos usados  para produzir  ATP.

Fonte de imagem: Internet

      As necessidades gerais por energia são maiores nos atletas do que nas pessoas comuns, e grande parte dessa energia vem dos carboidratos. Não se esqueça de  que existe uma grande diferença entre a pessoas comuns que se exercitam por algumas horas por semana e o atletas de endurance  competitivo, uma vez que a necessidades e as recomendações de ingestão alimentar são muito maiores para atleta. Atletas  de endurance  de elite que tentam maximizar o desempenho  devem consumir  uma media de 55 a 65% da energia diária total  dos carboidratos  durante os períodos de treinamento pesado, e a quantidade vai depender do volume, da intensidade, do tipo e da duração da atividade. Sessenta por cento da energia  proveniente   dos  carboidratos durante o período de treinamento, em particular na semana antes da competição, pode produzir concentrações  mais elevadas de glicogênio  muscular  e melhora o desempenho,  porem, mais uma vez,  a quantidade varia de acordo com os fatores  mencionados anteriormente.

 

 

        Em quantidades absolutas, recomendações diárias da ingestão de carboidrato para atletas variam de 6 a 10 g/kg peso corporal, podendo alcançar 10 a 12 g/kg/dia em atletas de endurance de elite como os praticantes de maratona competitiva, durante os últimos dias antes das competições. Essas recomendações possibilitam a manutenção dos níveis de glicose sanguínea durante e após o exercício para maximizar os níveis de glicogênio muscular. Entretanto, essas ingestões são altamente individuais e baseadas no gasto energético diário do atleta, no tipo de esporte, no gênero e nos fatores ambientais.

      Durante a competição de mais de 1h de duração, os atletas de endurance (p.ex., ciclistas de estrada, canoísta de longa distancia e triatletas) devem consumir carboidratos de fácil digestão. Na maioria das vezes, é possível encontra-los  na forma de barra energéticas e bebidas esportivas; fáceis de transportar durante a corrida. Para eventos mais longos, supondo  que o atleta apresente estoque  de glicogênio suficiente, a ingestão de hora em hora  de 0,7 g/kg peso corporal (30–60 g/h) de carboidrato ajuda prolongar  o desempenho do atleta (Goggan; Coyle, 1991). As bebidas esportivas deve conter entre 6 e 8% de carboidrato (Sawka et al., 2007) e não devem exceder 10%, uma vez que concentrações  de carboidrato mais elevadas retardam a absorção intestinal. As fontes de carboidratos devem estar na forma de glicose, polímeros de glicose, sacarose e outros carboidratos com propriedades similares (índice glicêmico alto). Com essas recomendações fica claro que as reservas de glicogênio intramuscular e hepático são considerações importantes na preparação para o evento de endurance  e que a questão de ingestão adequada de carboidrato durante esse tipo de evento é vital para o desempenho ideal ,sobretudo  durante as ultimas porções dos eventos de endurance

Fonte de imagem: Internet

Referencias

 

Kraemer WJ, Fleck SJ, Deschenes MR. Fisiologia do Exercício: Teoria e Prática. Guanabara Koogan, 2015

 

 

TRAINING STRONG ASSESSORIA ESPORTIVA - TREINAMENTO PARA CICLISMO - TREINAMENTO PARA MOUNTAIN BIKE 

© 2015 by TrainingStrong. All rights reserved